Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2020 > Março > Governo propõe facilidades para ampliar concorrência no setor de engenharia

Economia

Governo propõe facilidades para ampliar concorrência no setor de engenharia

Regulação

Projeto de Lei visa ajudar na instalação de empresas e na chegada de profissionais estrangeiros, tornando mais ágil o registro nos conselhos
por publicado: 30/03/2020 16h55 última modificação: 30/03/2020 16h55

O governo federal enviou ao Congresso Nacional, na semana passada, Projeto de Lei (PL) que atualiza a regulação do setor de engenharia, de modo a promover a livre concorrência e a abertura desse mercado. A abertura contribuirá para a redução do déficit de infraestrutura e das barreiras à aplicação do conhecimento técnico e científico, gargalos relevantes ao desenvolvimento nacional.

O  projeto teve origem na Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec), em parceria com a Secretaria Especial do Trabalho e Previdência, ambas do Ministério da Economia. Seu objetivo é facilitar a vinda de empresas e de profissionais estrangeiros, ao tornar mais ágil o processo de registro junto ao Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e aos Conselhos Regionais (Creas). Com a medida, o governo federal reforça a importância da livre iniciativa e dá continuidade à sua agenda de redução do peso regulatório do Estado sobre a sociedade.

A proposta estabelece prazo de 90 dias para a conclusão do processo de registro de pessoa física; e de 45 dias quando se tratar de registro de empresas. Em caso de omissão pelo Conselho, o registro provisório será automaticamente emitido, e estará assegurado ao profissional, ou à empresa, a possibilidade do exercício da engenharia. Hoje, a morosidade dos trâmites constitui empecilho ao livre exercício da atividade econômica, impondo prejuízos a toda coletividade.

A medida também retira a obrigação de que as empresas mantenham assistente brasileiro junto aos engenheiros estrangeiros, reduzindo custos associados à contratação de profissionais de fora.

O projeto acaba também com dispositivo da legislação atual considerado anacrônico: o que prevê que devem ser considerados critérios de escassez de profissionais de determinada especialidade e o interesse nacional para a expedição do registro de profissionais estrangeiros. Adicionalmente, fica vedado ao Confea, e aos Creas a adoção de práticas anticompetitivas em suas áreas de atuação.

Outra novidade é a exigência de que os conselhos regionais passem a conferir prioridade à tramitação dos processos que envolvam os empreendimentos declarados de interesse público prioritário por autoridade da administração pública de qualquer ente federativo. É o que ocorre, por exemplo, com aqueles constantes da carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). O PL ainda propõe ajustes relacionados à composição do Conselho Federal, de modo a modernizar e adequar o Conselho à legislação atual.