Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > 12 > Aberta consulta pública sobre contratação de serviço de limpeza no Ministério da Economia

Economia

Aberta consulta pública sobre contratação de serviço de limpeza no Ministério da Economia

Consulta Pública

Com nova proposta, valor estimado da contratação será de pelo menos 30% menor do que o praticado atualmente
por publicado: 11/12/2019 16h47 última modificação: 12/12/2019 14h09

Servidores públicos, empresários e cidadãos poderão opinar sobre novo modelo de contratação de serviço de limpeza que será utilizado em mais de 400 mil m² do Ministério da Economia, distribuídos em 23 edificações da pasta. Os interessados poderão apresentar sugestões relacionadas a diversos itens, como alocação dos empregados necessários, fornecimento e utilização de insumos adequados e suficientes para a execução do serviço, disponibilização de solução tecnológica para gestão, controle e fiscalização contratual, por meio de aplicação web e aplicativo mobile. O prazo para participar da consulta pública vai até 18 de dezembro.

Com as inovações, o valor estimado da contratação ao ano é de R$ 13,7 milhões – 30% a menos do que o valor praticado atualmente. “Nossa meta é aperfeiçoar o sistema de contratação dos serviços de limpeza adotando medidas voltadas para a melhoria da qualidade desse tipo de atividade. Entre as principais mudanças propostas estão a contratação por resultado e a utilização de solução tecnológica com funcionalidades relacionadas à gestão e fiscalização da execução dos serviços prestados”, esclarece Cristiano Heckert, secretário de Gestão do Ministério da Economia.

A licitação será realizada pela Central de Compras do Ministério. A maior parte dos prédios está localizada na Esplanada dos Ministérios, em Brasília/DF. Os documentos relacionados à proposta de novo modelo de contratação de serviço de limpeza estão disponíveis aqui. Sugestões podem ser enviadas para o e-mail central.estrategia@planejamento.gov.br.

Veja aqui alguns aspectos que estão em processo de consulta pública:

  • exigência de plataforma tecnológica para apoiar a gestão e fiscalização;
  • planilha de custos e formação de preços simplificada e lucro desvinculado do custo da mão de obra;
  • estabelecimento de indicadores de avaliação de resultados (desempenho e satisfação de usuários);
  • liberdade para o fornecedor propor e desempenhar níveis de produtividade e práticas de gestão e aplicação de insumos mais modernas;
  • foco em resultados, novos métodos, tecnologias e qualidade do serviço;
  • comprovação de experiência em produtividade igual ou superior à mínima (150 m²/h) em piso frio;
  • vigência inicial de 36 meses;
  •  adequação técnica da metodologia empregada não implicará em glosa e alteração contratual
  • centralização da contratação, gestão contratual e pagamento.