Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2020 > Fevereiro > Reduzir ineficiência alocativa será decisivo para aumentar produtividade na economia, aponta estudo da SPE

Economia

Reduzir ineficiência alocativa será decisivo para aumentar produtividade na economia, aponta estudo da SPE

Política Econômica

Análise enumera 12 medidas para alcançar objetivo, mas ressalva que há muito a explorar e convida sociedade para o debate
por publicado: 07/02/2020 12h31 última modificação: 07/02/2020 15h31

O Ministério da Economia, em Nota informativa publicada nesta quinta-feira (6/2)  pela Secretaria de Política Econômica (SPE), destaca a redução da ineficiência alocativa  (misallocation, no termo original em inglês) como estratégia central para aumento da produtividade da economia. A análise enumera 12 medidas necessárias ao aumento da produtividade e ao desenvolvimento da economia brasileira.

Segundo o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, a política econômica escolhida pelo atual governo – baseada em resultados científicos muito robustos e reconhecidos internacionalmente por pesquisadores de elevada reputação – tem como objetivo central reduzir a ineficiência alocativa.  E as medidas adotadas, segundo ele, estão lastreadas nessa base sólida de conhecimento.

“A queda da produtividade na economia brasileira nos últimos anos (redução de 13,9% entre 2010 e 2017) tem como causa fundamental o aumento da misallocation”, afirma o secretário. “No estudo, estamos apresentando 12 diferentes temáticas, com medidas tomadas pelo atual governo que atendem a este objetivo. No entanto, muitos outros temas ainda estão por explorar e convidamos a sociedade a debatê-los”, salienta.

As 12 medidas propostas são a Redução no Direcionamento do Crédito, fonte primária de misallocation, pois determina quais setores e firmas receberão maior investimento; a Proposta de Extinção do Seguro Obrigatório DPVAT; o Novo FGTS; o Esforço para Consolidação do Equilíbrio Fiscal; a Reforma Administrativa; a Reforma Tributária; as Privatizações; a Abertura Econômica; o Aprimoramento da Lei de Recuperação Judicial; a Revisão das Normas Regulamentadoras do Trabalho; a Medida Provísória do Agronegócio; e a Proposta de Extinção da Publicação de Balanços de Empresas em Jornais.

Os entraves

Segundo o secretário da SPE, a misallocation ocorre basicamente como reflexo de três problemas principais: as regras estabelecidas pelo Estado, como normas tributárias e regulações, que variam de acordo com as características das empresas e que podem resultar em obstáculos para o emprego de mão de obra ou capital nas firmas que possuam maior produtividade; as provisões discricionárias feitas pelo governo, que favorecem algumas firmas e penalizam outras, a exemplo de subsídios, desonerações tributárias e créditos direcionados com taxas de juros reduzidas; e as imperfeições de mercado, como monopólios, fricções financeiras e obstáculos para a definição e o cumprimento de direitos de propriedade.

O termo se refere, numa economia, a ineficácia na alocação de seus fatores de produção. Um exemplo simples dessa misallocation, segundo a nota, é a inflação. “Na época da hiperinflação toda casa brasileira tinha que reservar um cômodo para ser a despensa. Ou seja, era necessário sacrificar um espaço que poderia ser usado como um quarto extra apenas para guardar mantimentos e se defender da alta dos preços.

A inflação apresenta ainda uma série de outros problemas relacionados  à misallocation como a incerteza promovida nas expectativas que leva a erros substanciais na alocação dos investimentos. Manter a inflação baixa é uma política de combate à ineficiência alocativa e com claros benefícios sociais. Afinal, são os mais pobres os mais afetados negativamente pela inflação alta.

Esse exemplo ilustra bem o fato de que, ao se combater a má alocação de recursos, gera-se tanto um benefício econômico como um benefício social. O combate à misalocation é também uma política social que promove o aumento do padrão de vida da população mais pobre”, afirma o estudo, salientando que a economia brasileira enfrenta dois graves problemas estruturais: fragilidade fiscal e a má alocação de recursos.

“O norte da política econômica é superar esses problemas e a grande maioria das medidas já tomadas ou em andamento visam a vencer esses dois grandes desafios, na compreensão de que, sem isso, não será possível a retomada sustentável do crescimento econômico com distribuição de renda”, explica a nota da SPE.

Na avaliação do secretário Sachsida, a análise publicada hoje demonstra a coerência das medidas propostas pelo governo – as já implementadas e as em encaminhamento – com esse diagnóstico de que a fragilidade fiscal e a misallocation, se não forem resolvidos, permanecerão como barreiras intransponíveis ao desenvolvimento do país. “Combater a má alocação de recursos é uma eficiente política social. Afinal, boa parte da misallocation transfere renda da parte mais pobre da sociedade para grupos específicos de renda mais elevada”, aponta.